segunda-feira, 4 de julho de 2016

A Tradicional Festa Junina dos Educandos do Projeto Axé

Em 22/06/2016                                                                          Viva São João!

      Origem da Festa Junina 
Existem duas explicações para o termo festa junina. A primeira explica que surgiu em função das festividades ocorrem durante o mês de junho. Outra versão diz que está festa tem origem em países católicos da Europa e, portanto, seriam em homenagem a São João. No princípio, a festa era chamada de Joanina. De acordo com historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses, ainda durante o período colonial (época em que o Brasil foi colonizado e governado por Portugal).
Nesta época, havia uma grande influência de elementos culturais portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Da França veio a dança marcada, característica típica das danças nobres e que, no Brasil, influenciou muito as típicas quadrilhas. Já a tradição de soltar fogos de artifício veio da China, região de onde teria surgido a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos. Da península Ibérica teria vindo a dança de fitas, muito comum em Portugal e na Espanha. 
Embora sejam comemoradas nos quatro cantos do Brasil, na região Nordeste as festas ganham uma grande expressão. O mês de junho é o momento de se fazer homenagens aos três santos católicos: São João, São Pedro e Santo Antônio. Como é uma região onde a seca é um problema grave, os nordestinos aproveitam as festividades para agradecer as chuvas raras na região, que servem para manter a agricultura.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

O PROJETO AXÉ no Centro Social Urbano(CSU) de Portão - Capoeira e Axé Buzu. O Axé tem Axé!!

Em 21/06/16
                               ‪#‎CaravanaDaJustiçaSocial‬ ‪#‎SJDHDS‬ ‪#‎GovBa‬
A Caravana da Justiça Social desembarcou hoje em Lauro de Freitas e fez uma grande festa de cidadania, direitos humanos e desenvolvimento social.Com as presenças do Secretário da SJDHDS Sr. Geraldo Reis , da deputada Federal Moema Gramacho, da Coordenadora do Vida Melhor Eva Borges, do Diretor da FLEM, Jones Carvalho, e do Coordenador da Unis Metropolitana I, Bira, foi inaugurada a Unidade de Inclusão Socioprodutiva do CSU de Portão, uma estrutura novinha e totalmente equipada para dar suporte aos agentes de desenvolvimento do Vida Melhor - programa de qualificação de pequenos empreendedores individuais e familiares, para fortalecimento do seu negócio e ampliação da renda.Foram entregues as certificações de 642 empreendedores da região de Camaçari, Lauro de Freitas e Dias D'Ávila, que concluíram o curso de Noções Básicas de Empreendedorismo ofertado pelo Vida Melhor.

Outra importante entrega para o município, que também funcionará no CSU de Portão - como forma de valorização dos espaços públicos e integração com a comunidade; foi o lançamento do Núcleo de Direitos Humanos e Justiça Comunitária, o NUDH, que será executado em parceria com a ONG Juspopuli, um programa de democratização do Direito e da promoção do acesso à Justiça, que fará intermediação de conflitos nas comunidades. A importante presença da vice-presidente do Juspoli, Marília Lomanto Júnior, e da nossa Superintendente de Apoio aos Direitos Humanos, Anhamona de Brito. Ao todo, sete Nudhs, serão implantados na capital e no interior, um investimento de R$ 2,6 milhões.

Foi anunciado também, com a presença da Superintendente de Políticas Sobre Drogas, Denise Tourinho, o início das atividades do programa Corra pro Abraço em Lauro de Freitas, previsto para agosto deste ano. Um programa do Governo do Estado para pessoas em situação de rua e dependentes das drogas, que obteve grande sucesso em Salvador e estamos ampliando para outros Municípios.

Cerca de mil pessoas passaram pelo CSU hoje. Para tirar segunda via de documentação, receber orientação do Procon e da Coelba, atendimento jurídico, serviços de saúde, e diversas apresentações culturais e feirinha de artesanato.

O CSU foi palco da expressão cultural de sua comunidade, como tem que ser. Recebeu a juventude para uma roda de diálogos, a criançada no Axé Buzu, e toda a família se divertiu com os grupos culturais, Bankoma, Bambolê, Capoeira do Axé e a Patrulha do Bem da Polícia Militar, demonstrando toda a importância do social nas ações do Pacto Pela Vida, que chega à comunidade não só com a repressão à violência, mas com a prevenção por meio da promoção social.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

A tradicional reza de Santo Antônio no Projeto Axé

Em 03/06/16
No dia 13 junho, a Igreja Católica celebra o dia de Santo Antônio de Pádua, um dos santos mais populares, venerado não somente em Pádua, onde foi construída uma basílica que acolhe os restos mortais dele, mas no mundo inteiro. 
Santo casamenteiro. Assim é invocado pelas pessoas que desejam se casar e lembrado pelo nosso folclore. Não se sabe qual a origem dessa devoção. Talvez esteja ligada a algum milagre feito pelo santo em favor das mulheres, por exemplo, quando fez um recém-nascido falar para defender a mãe acusada injustamente de infidelidade pelo pai.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Projeto Axé e FORD entregam 10 mil mochilas em escolas de Camaçarí.

Em 04/04/2016
                                                                                                            (Foto Evandro Veiga - Correio da Bahia)
Quarenta mães de educandos em situação de vulnerabilidade fazem as mochilas.

Na tarde desta segunda-feira (4), a Ford e a ONG Projeto Axé lançaram a edição 2016 do Programa de Mochilas Ecossustentáveis, que promete entregar dez mil mochilas a crianças que estudam em escolas públicas de Camaçari.

O material utilizado na produção são as fardas industriais de empregados da montadora, após processo de higienização. Antes, elas eram incineradas. A confecção fica a cargo de 40 mães em situação de vulnerabilidade social, que recebem uma bolsa-auxílio e capacitação em costura nas unidades da ONG. As crianças e adolescentes que já fazem parte do Projeto Axé, se encarregam de criar estampas e customizar as mochilas.
A mãe de cinco e ex-catadora de latinhas, Vera Lúcia dos Santos, 38 anos, fez parte da edição 2015 e aprova o programa. “Me ajudou bastante, aprendi a mexer em máquina (de costura). Agora posso fazer uma bolsinha para poder vender, já posso ter minha rendinha fora”, comemorou.

Ford forma 100 jovens em projeto de educação - O projeto é realizado em parceria com o Projeto Axé e a Prefeitura de Camaçari.

Em 04/04/2016
                                                                                                                                      Foto: Yuri Silva
Quando ingressou na primeira turma do Programa Ford de Educação para Jovens, em outubro do ano passado, a estudante Flávia Nascimento, 17, que cursava o 3º ano do ensino médio na época, ansiava por fazer graduação em biomedicina.
Nesta segunda-feira, 4, seis meses depois da experiência, quando recebeu em mãos o certificado de auxiliar em mecânica de equipamentos, ela tem planos totalmente diferentes. Quer fazer faculdade de engenharia e, quem sabe, um dia se tornar executiva da montadora.

"Estava procurando o que ia fazer depois do ensino médio, ainda, mas depois desse curso eu me sinto preparada e convicta do que quero", afirmou Flávia à equipe de A TARDE, logo após a cerimônia de formatura dos 100 primeiros jovens a participar do programa da empresa estadunidense no município de Camaçari, na região metropolitana de Salvador.
O evento, que aconteceu no Teatro Cidade do Saber, no município 41 quilômetros distante da capital, contou com a presença do presidente da Ford para a América do Sul, Steven Armstrong, e do presidente global da Ford Fund, braço filantrópico da empresa estadunidense, Jim Vella.
Mochilas
Na ocasião, foi lançada, também, a terceira edição de outro projeto social da montadora, o Mochila Ecossustentável, realizado em parceria com o Projeto Axé e com a prefeitura do município de Camaçari.
Na iniciativa, cerca de 10 mil mochilas produzidas com fardamentos reaproveitados são distribuídas às crianças da rede municipal de ensino.
Para isso, explica a gerente de relações corporativas da Ford Brasil, Adriane Rocha, uma cadeia produtiva sustentável é pensada. As mães dos alunos do Projeto Axé, conta ela, foram capacitadas para trabalhar na confecção dos produtos - o que concedeu a cada uma delas o certificado de costureira.
"Para nós, a ideia não era só fornecer o material escolar. Pensamos numa cadeira de valor que agregasse importância à iniciativa", afirma Adriane Rocha.

Educação de jovens
A executiva ainda detalha que, além do curso de mecânica de equipamentos feito pela estudante Flávia, outros quatro são oferecidos no Programa de Educação para Jovens, que poderá ter uma segunda turma este ano, caso a direção da Ford consiga manter as parcerias com o Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

Foram essas duas entidades que apoiaram os dois ciclos de ensino que compõem o projeto: disciplinas comportamentais e disciplinas técnicas.
"Os alunos, sejam do curso de administração ou do de mecânica de automóveis, todos eles tiveram aulas mais gerais, de comunicação e matemática, por exemplo, e outras mais técnicas", explica a gerente da Ford, Adriane Rocha.
Ela lembra, também, que os jovens passaram por uma imersão na sede da empresa em Camaçari, com visitas e palestras de profissionais de carreira da montadora.

Dos 100 alunos, 26 foram selecionados para atuar como jovens aprendizes da Ford na Bahia. Entre eles estava Flávia Nascimento, que começa a trabalhar nesta terça, 5. "É uma porta que se abre para mim e eu vou aproveitar agora para ter um futuro bem melhor", comemora a jovem.

Fase
O presidente da Ford na América do Sul, Steven Armstrong, afirmou que os investimentos da multinacional em educação serão preservados, mesmo que a situação econômica do país esteja passando por uma fase complicada.
"Não podemos abrir mão do investimento nessa área, porque a estratégia de responsabilidade social da Ford tem como principal pilar justamente a educação", afirmou o executivo, em discurso no evento.

Projeto Axé destaca formação de “sujeitos criativos”.

Em out/2015 - Teatro do Saber-Camaçari/Ba
                                                                                                          Foto: Adriano Villela
O Programa de Mochilas Ecossustentáveis é realizado em parceria com a organização não governamental (ONG) Projeto Axé, envolvendo mulheres em situação de vulnerabilidade social, em Camaçari e Salvador, que são treinadas em aulas de modelagem, corte e costura, abrindo nova perspectiva de geração de renda. De acordo com informações da empresa, dez mil mochilas são doadas anualmente a alunos da rede municipal de ensino de Camaçari.
O estímulo à capacidade criativa e artística dos beneficiários foi destacado pelo coordenador do Projeto Axé, Marcos Cândido, em relação à parceria com a Ford. Com financiamento do braço social da montadora, a atuação conjunta já resultou na produção de 30 mil mochilas ecossustentáveis doadas para alunos da rede de Camaçari. A entrega do material escolar aconteceu nesta segunda-feira (4), na Cidade do Saber, em Camaçari. O projeto é fabricado a partir de fardamentos usados da montadora que, antes, eram incinerados.
Com formação em moda, Cândido relatou que ao invés de apresentar uma proposta de estilo aos alunos, provocou neles a vontade de criar design e propor corres e desenhos. As mochilas são customizadas. “Trabalhamos no conceito de up cycling. Não basta reciclar (aproveitando os uniformes doados), mas transformá-los em um produto de melhor qualidade artística”, afirmou o coordenador.  Discípulo do educador Paulo Freire, Marcos Cândido define o projeto como “pedagogia do desejo”, em que o principal critério de seleção do aluno é a vontade de fazer parte.
A oportunidade gerada pela parceria é destacada pelas costureiras que trabalham no fabrico das mochilas, como Vera Lúcia Santos e Silvia de Andrade, a um ano no projeto. Ambas viviam até então de trabalhos eventuais, quando apareciam. “Eu tinha vontade de ser costureira. Mas não havia quem me orientasse e não tinha como pagar um curso. Aqui eu tive essa oportunidade. Trabalho descosturando (fardamento matéria-prima), mas já me apresentaram à máquina de costura”, disse Silvia Andrade.
Vera Lúcia também tem projeto para seguir atuando como costureira. “Agora a gente pode montar um negócio próprio. Aqui a gente também faz bolsa e capa para celular”, disse. Para ambas, quem tiver oportunidade de entrar no projeto agora não deve pensar duas vezes antes de aceitar.

sexta-feira, 1 de abril de 2016


 De 14 a 18 de março, o Projeto Axé realizou a Grande Formação Anual, sob o Título: 
AXÉ: ILÊ ORI que significa, Projeto Axé: A Casa do Conhecimento, visando as diretrizes e planejamento para realização das atividades pedagógicas e arteducativas de 2016, contamos com a participação dos 80 funcionários que somam a representação do universo educante do Projeto Axé: Presidente, Coordenadores, Gerentes, Educadores de Rua, de Família, Arteducadores, Nutrição, Setor do Transporte, do Apoio, da Infraestrutura e do Axé Design, reunidos na perspectiva fundamental de melhor proteger, defender, acolher e orientar os nossos Educandos atendidos nas Unidades Arteducativas: do Pelourinho - com Música e Artes Visuais, e da Unidade Augusto Omolú - com Dança e Capoeira.
Pelo sexto ano consecutivo com a parceria do Hotel Portobello, em Ondina Salvador-Bahia.

Centro Projeto Axé de Defesa e Proteção à Criança e ao Adolescente

Av. Estados Unidos nº 161 Edf. Suerdieck 9º andar Comércio



Salvador-Bahia Brasil CEP - 40.010-020



tel: 55 71 3327-2262



Funcionamento: 8:00 às 12:00 e 13:00 às 17:00h



e-mail: centrodeformacao@projetoaxe.org.br